Conteúdos

“ Matérias exclusivas de diversas áreas e segmentos. Conteúdo com abordagem direta e original, tudo feito especialmente para agradar os leitores mais exigentes! ”

Galápagos: as ilhas de Darwin

GALAPAGOS

Arquipélago de Galápagos é o paraíso natural que serviu de inspiração para a Teoria da Evolução.

Por Fábio Barbosa

Turismo e ciência lado a lado. Isso é o que encontra quem viaja ao arquipélago de Galápagos, conjunto de ilhas com 133 mil quilômetros quadrados, localizado a mil quilômetros da costa do Equador. A região é considerada a segunda maior reserva marinha do mundo, atrás apenas das Ilhas Chagos, nas Maldivas, oceano Índico.

O local é dotado de uma exuberância natural enorme, mas ficou mundialmente conhecido após passagem por lá do cientista britânico Charles Darwin, em 1835. A bordo do navio HMS Beagle, Darwin realizou estudos sobre a fauna do arquipélago que resultaram na elaboração da Teoria da Evolução. Durante vários dias o cientista coletou material suficiente para argumentar que a raça humana não foi criada por intervenção divina e que todos os animais são resultado de adaptações ao meio ambiente e mudanças genéticas passadas de geração para geração.

Galápagos é considerada Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura). O arquipélago é formado por 13 ilhas maiores, seis pequenas e dezenas de ilhotas e rochas que abrigam um habitat único, em que espécies animais são encontradas apenas naquela região do planeta. Os primeiros mapas a mostrar Galápagos são do século XVI (1532), mas a região só começou a ser colonizada três séculos mais tarde. Isso garantiu que a biodiversidade da região permanecesse intocável por vários anos.

X8B-1495141

A região é uma das poucas no mundo a reunir vasta fauna e flora, formação vulcânica e encontro de correntes de águas quentes e frias (Corrente de Humboldt) provenientes dos extremos do planeta. O resultado disso tudo é que o visitante pode apreciar espécies raras como tartarugas centenárias gigantes, iguanas marinhas, gansos patolas de patas azuis e leões marinhos que cruzam a todo momento o caminho dos turistas. Além dos animais, as ilhas oferecem grutas, vulcões, lindas praias e vasta área para mergulho.

O jornalista Sandro Paveloski aproveitou as férias recentemente em Galápagos. É um passeio que ele recomenda para quem ama o contato direto com a natureza. “Existem vários passeios lindos em terra, mas os mergulhos em Galápagos são especialmente emocionantes. E nem precisa de curso de mergulho e equipamentos. O mergulho com snorkel, feito nos lugares corretos que as próprias agências da ilha levam são repletos de surpresas e um contato com a vida selvagem simplesmente inesquecível!  Já andei por vários lugares pelo mundo, e normalmente o que a gente vê são polos turísticos trazendo a natureza ou a transformando para atrair o turista. Galápagos não! Você tem que ir até a vida selvagem para conhecê-la exatamente onde ela está, onde ela evoluiu e onde ela se manifesta. Você pode ir a um aquário para ver leões marinhos. Em Galápagos você nada com eles como se fosse parte da espécie”, diz ele.

E é com o objetivo de preservar esse paraíso natural que a visitação de turistas é controlada no arquipélago. Apenas 3% do território local é habitado. Das 13 ilhas maiores, apenas cinco possuem desembarque e permanência permitidos para turistas. Santa Cruz (principal ilha de Galápagos), São Cristobal, Isabela, Floreana e Baltra . Baltra, inclusive, é o local onde fica o principal aeroporto da região. Porta de entrada dos turistas do mundo todo. Outra opção para se chegar ao arquipélago é através de navio. Cruzeiros também costumam visitar a região.

Essa “exclusividade” foi um dos motivos que atraíram Paveloski. “Sou apaixonado por natureza, bichos principalmente. Além disso, sempre vi Galápagos em documentários da National Geographic e as imagens me deixavam apaixonados por tanta beleza, paisagens e animais exóticos. Quando fui atrás e percebi que era mais barato ir pra lá do que para o nordeste (brasileiro), não pensei duas vezes. Era um sonho conhecer esse destino e realizei este sonho. E sempre vou atrás de destinos alternativos, Galápagos foi um dos que planejei e conheci.”

Não existe época específica do ano para se visitar Galápagos. A região é linda o ano todo. O que pode influenciar a escolha do viajante são as condições climáticas e as expectativas em relação aos eventos naturais que lá existem. Duas estações são marcantes no arquipélago: verão e inverno. O verão vai de dezembro a junho e possui temperaturas na casa dos 30 graus. É o período mais agradável para os passeios, pois o mar está mais calmo e os dias mais ensolarados. No inverno, que vai de julho a novembro, a temperatura média é de 24 graus durante o dia, mas cai bastante a noite. Esta é a melhor época para os naturalistas, já que os animais estão mais ativos, e também para mergulhadores, pois a água do mar está mais clara devido a menor frequência de chuvas. Entretanto, outros dois períodos devem ser bem observados quando se pensa em ir ao arquipélago. Os das férias nos Estados Unidos e na Europa, regiões com maior número de visitantes à Galápagos. A alta temporada nas ilhas ocorre entre junho e setembro e nos meses de dezembro e janeiro. Durante esses períodos fica mais difícil conseguir fazer reservas de última hora. Sendo assim, quanto antes se programar, melhor.

E foi esse planejamento antecipado que deixou a viagem de Paveloski bem mais agradável financeiramente. “Não coloquei tudo na ponta do lápis, mas creio que gastei, no máximo, dois mil dólares. Mas acho que foi menos, bem menos. É que comprei as passagens faz tempo, depois acertei o hotel.  Existem passagens para lá, para o fim do ano, por mais ou menos 700 dólares ida e volta. Não é caro, dá para fazer algo programado, e garanto – se a pessoa quer ir para um mundo totalmente diferente e distante do turismo “artificial”, aproveite!”.

Turista, fique atento!

Idioma: a língua oficial em Galápagos é o espanhol.

Moeda: dólar americano.

Vacina: certificado internacional de vacinação em que conste vacina contra a Febre Amarela.

Passaporte: não é necessário visto para Galápagos. O documento de passaporte deve estar com a validade mínima de seis meses e deve se fazer um cadastro obrigatório antes da viagem em um site do Governo. Acesse: (http://192.73.243.207/cgggob/info/#inline_content_tur1).

Compartilhe: Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePin on Pinterest0
Comentários
Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!
Deixe seu comentário

Nome:
Email:
Mensagem: